• Sinpers

CARÁTER SOCIAL: Da Servidão Voluntária de La Boétie 1 À Fuga Da Liberdade 2 De Fromm.

Por: Flávio Rodrigues

Para Erich Fromm Temperamento e Caráter são coisas distintas, afirma ele: “Se a pessoa tiver um temperamento colérico, por exemplo, seu modo de reagir será “rápido e forte””[i]. Mas ACERCA DE QUE ela se mostrará rápida e forte irá depender de seu tipo de relacionamento, da orientação do caráter social e individual. Se for uma pessoa produtiva, justa e amável, reagirá rápida e fortemente quando amar quando se enraivecer com uma injustiça e quando se impressionar com uma ideia nova. Se for uma pessoa de caráter destrutivo ou sádico, será rápida e forte em seu espírito destrutivo ou em sua crueldade.

[i] FROMM, Erich. Análise do Homem. São Paulo: Círculo do livro/Zahar, 1947­­


O livro: Análise do Homem, faz parte de uma trilogia, que fala da liberdade, traz aquilo que Étiene de La Boétie, chama de servidão voluntária, que seria para Fromm a troca da liberdade por um salvador, por um pensamento devotado, ao contrário disso, para Fromm, a liberdade tem a ver em reconhecer as responsabilidades pela resposta na existência, na própria existência. O temperamento colérico em uma estrutura de caráter receptiva apresentará estas características de devoção e fidelidade sem crítica, o que para La Boétie chamou de servidão voluntária. A estrutura de caráter receptiva necessita do pai, necessita estar sobre a guarida de alguém que o cuide, que lhe de proteção, que lhe supra as necessidades afetivas e até fisiológicas.

Esta estrutura de caráter quando com um temperamento colérico, será rápida e forte, entretanto, por ser um recebedor correrá para o colo do grande pai e dali poderá afirmar-se como algo que é pela figura do pai. Quando está sozinho não consegue ser[i] (orientação produtiva), necessita ter (orientação não-produtiva) a quem recorrer sozinho ou sozinha não se reconhece, necessita receber: elogios, segurança, proteção, atenção, necessita de reconhecimento, pois não se reconhece no espelho. O outro para essa estrutura e com esse temperamento é sempre fonte de devoção(libidinal), necessita ter essa fonte para ser, como esse outro não é real está em sua fantasia as contradições internas deste outro não são observadas e a servidão passa a ser voluntária e a perda da liberdade uma consequência.

O temperamento e o caráter podem explicar nossas ações, regulando nossas escolhas entre o que é: Biofílico e o que é Necrofílico (Teoria de Fromm), aquilo que produz vida e amor, e, aquilo que produz morte e ódio. A análise de nossas escolhas demonstra a vida que estamos vivendo, se é uma vida que podemos realmente Ser (vida produtiva) ou se estamos apenas querendo Ter (vida não-produtiva), se somos, podemos brincar com nossa liberdade de Ser, caso contrário teremos que nos submeter a uma servidão voluntária e Ter que viver de acordo com o grande pai (Pátria). Talvez a diferenciação entre o temperamento e caráter possa explicar nossa passividade diante da servidão voluntária e da nossa fuga da liberdade.

[i] FROMM, Erich. Ter ou Ser?. Rio de Janeiro: Zahar, 1979

[1] LA BOÉTIE, Ethienne de. Discurso da servidão voluntária. L. C. C. Publicações eletrônicas, 2006

[1] FROMM, Erich. O medo a Liberdade. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

[1] FROMM, Erich. Análise do Homem. São Paulo: Círculo do livro/Zahar, 1947­­

[1] FROMM, Erich. Ter ou Ser?. Rio de Janeiro: Zahar, 1979

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo